RSS

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Adultos: Maravilhosa Graça – O evangelho de Jesus Cristo revelado na carta aos Romanos
Lição 09: A nova vida em Cristo
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
 6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Apresentem o título da lição: A nova vida em Cristo.
- Lembrem-se de que ao trabalhar o conteúdo da lição, vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
- Para concluir o estudo do tema, utilizem a dinâmica “Minha vida em dois atos”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Minha vida em dois atos
Objetivo: Oportunizar aos alunos momento de reflexão sobre sua história de vida, seu chamado e vocação.
Material:
01 envelope
½ folha de papel ofício e caneta para cada aluno
01 tubo de cola
Procedimento:
- Entreguem para os alunos ½ folha de papel ofício e falem que ela representa nossa vida. O tempo vai passando e a vida nos traz marcas.
Agora peçam para que eles amassem o papel.
Então, orientem para que os alunos escrevam alguns fatos, isto é, acontecimentos que marcaram a vida deles, antes da conversão.
- Depois, dobrem o papel em 04 partes e solicitem para que abram.
Perguntem: O que vocês estão vendo?
Há o formato de uma cruz.
Então falem que a nossa vida tem dois momentos(dois atos), um antes da conversão e outro quanto aceitamos Cristo como salvador. Mudando nosso modo de viver.
Em seguida, peçam para que coloquem o papel amassado dentro do envelope e fechem-no com cola.
- Falem que esta ação representa o passado. Agora, leiam II Co 5. 17: “Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”.
- Agora, na parte da frente do envelope, representando o tempo presente, os alunos deverão escrever seu nome e alguns fatos que são relevantes após a conversão, como por exemplo: mudança na vida pessoal, familiar e espiritual, batismo com o Espírito Santo, descoberta de talentos, recebimento de dons, uma chamada especial, atuação na obra de Deus etc.
- Para concluir leiam I Co 7.20.
Ideia original desconhecida da utilização do papel amassado em dinâmica.

Elaboração desta versão por Sulamita Macedo.

Texto Pedagógico

Monitoria na EBD

            Monitoria é uma atividade de ensino e aprendizagem de caráter cooperativo entre professores e alunos, que estimula a iniciação docente, que geralmente acontece em cursos de graduação, porém se faz presente também no Ensino Médio e nos últimos anos do Fundamental de forma mais escassa. Entretanto, sua prática também é possível na Escola Bíblica Dominical.
            O monitor é aquele aluno, que sob a orientação e supervisão de um professor, tem a possibilidade de vivenciar atividades didáticas e práticas sobre o conteúdo, executando atribuições auxiliares junto ao mestre, proporcionando-lhe experiência de formação em curso.
       Jesus escolheu 12 pessoas, os discípulos, para que na vivência com Ele aprendessem sobre os valores do Reino e enfrentassem situações diversas, para que pudessem pregar com poder e sinais, como se lê: “E subiu ao monte, e chamou para si os que ele quis; e vieram a ele. E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar, e para que tivessem o poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios” (Marcos 3:13-15).
O apóstolo Paulo treinou em serviço o jovem Timóteo e quando precisou de um cooperador, enviou-o, pois estava preparado, capacitado e com experiência para o trabalho.  “E espero no Senhor Jesus que em breve vos mandarei Timóteo... Mas bem sabeis qual a sua experiência, e que serviu comigo no evangelho, como filho ao pai” (Fp 2. 19a e 22).
Observamos, nestes versículos citados acima, apenas dois exemplos da Bíblia sobre treinamento em serviço, através da observação, prática e cooperação, sob a orientação do mentor, com o objetivo de adquirir experiência para a realização de um trabalho futuro, adquirindo habilidades por meio de uma ação formativa.
            E na Escola Bíblica Dominical, quais as possibilidades de haver esta prática?
         Partindo do princípio de que há necessidade de novos professores para o ensino cristão, a monitoria pode ser uma forma de iniciação à docência, proporcionando familiaridade do monitor com planejamento de aula, pesquisa sobre o conteúdo, escolha de métodos e execução de outras atividades correlatas ao processo de ensino e aprendizagem de forma conjunta com o professor.
Para o exercício da monitoria, os candidatos podem se apresentar de forma voluntária ou por escolha dos professores. Para isto, é recomendável que os professores tenham um olhar atento sobre aqueles alunos da EBD, que demonstram iniciativa para falar diante dos colegas, que trazem uma informação sobre o tema da lição, que apresentam assiduidade, pontualidade, interesse, responsabilidade e que tenham espírito colaborativo, pois eles, com estas características, podem ser monitores e certamente bons professores.
            Abrir este espaço no contexto de EBD, para a monitoria, traz benefícios para a descoberta de professores, tendo em vista esta atividade possibilitar a apropriação de habilidades didáticas, formando um futuro professor com experiência nas atividades colaborativas de aprendizagem, capacitando-se para o ensino cristão na Escola Dominical. A Palavra de Deus adverte: “Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”(II Tm 2.15).
            Outro ponto importante, para a existência da monitoria na EBD, tratar-se de não pegar alguém de surpresa quando designado para assumir uma classe, trazendo-lhe desconforto, preocupação, insegurança e até medo para assumir a função por falta de preparo de como ministrar uma aula. Havendo alunos monitores, a superintendência tem maior possibilidade de escolha dos docentes com experiência no ensino.
            As atividades do aluno monitor devem ser concentradas no sentido de auxiliar nas práticas pedagógicas da EBD. O monitor não será um substituto do docente, pois suas ações devem ser executadas na presença do professor. Quando o docente precisar faltar a EBD, deve manter contato com outro professor para que ministre a aula, não deixando a aula a cargo do monitor.
Mas, vejamos alguns exemplos de como o aluno monitor pode cooperar nas aulas da EBD:
- Expor uma parte da lição.
- Acrescentar uma informação importante sobre o tema.
- Auxiliar nas atividades práticas com os alunos, como nos trabalhos de grupo, execução de dinâmicas etc.
Após a aula, em um encontro específico, o professor deve conversar com o monitor sobre sua atuação na aula, para que os pontos positivos sejam ressaltados e os negativos minimizados, sugerindo e orientando como proceder, evitando assim repetição de falhas.
O tempo de aprendizagem do aluno como monitor pode variar de pessoa para pessoa, pois dependerá do desenvolvimento individual de habilidades, do desempenho e da maturidade nesta formação em serviço. Além disso, é importante que haja orientação e incentivo para participação em treinamentos, congressos, seminários de EBD, como também a realização de leituras de livros, revistas, textos de conteúdo pedagógico para que o aluno monitor se aproprie de informações sobre o processo de ensino e aprendizagem e da educação cristã.
Portanto, a implantação de um programa de monitoria na EBD traz pontos positivos para a formação em serviço a aspirante de professor na EBD. Para que haja sucesso, nesta atividade, a receptividade da ideia pelos professores é fundamental, além de que devem estar disponíveis para realizar o acompanhamento do aluno a contento. O aluno-monitor deve também se esforçar e ser estimulado a exercer suas ações com vista ao exercício da docência na EBD.
Que tal pensar sobre isto e colocar em prática a monitoria na EBD?
Por Sulamita Macedo.
Jovens: Eu e minha casa – Orientações da Palavra de Deus para a família do século XXI
Lição 09: Conflitos familiares
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Apresentem o título da lição: Conflitos familiares.
 - Para introduzir o estudo do tema, utilizem a dinâmica “Gotas de óleo”.
- Lembrem-se de que ao trabalhar o conteúdo da lição, vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Gotas de Óleo
Objetivo: Refletir sobre o que origina os problemas familiares e as indicações de como solucioná-los.
Material:
Cópia de texto “Algumas gotas de óleo”(postado abaixo)
01 dobradiça
01 frasco com óleo lubrificante
Nomes digitados: Gotas de Compreensão, Perdão, Paciência, Carinho, Solidariedade, Fraternidade, Amor, Afeição, Silêncio.
02 cartolinas
02 pincéis atômicos
01 rolo de fita adesiva
Procedimento:
1 – Dividam a turma em dois grupos.
2 – Distribuam uma parte do texto “Algumas gostas de óleo”, isto é, somente os dois primeiros parágrafos:
“Num quarto modesto, o doente grave pedia silêncio. Mas a velha porta rangia nas dobradiças cada vez que alguém a abria ou fechava. O momento solicitava quietude, mas não era oportuno para a reparação adequada.
Com a passagem do médico, a porta rangia, nas idas e vindas do enfermeiro, no trânsito dos familiares e amigos, eis a porta a chiar, estridente. Aquela circunstância trazia ao enfermo e a todos que lhe prestavam assistência e carinho, verdadeira guerra de nervos. Contudo, depois de várias horas de incômodo, chegou um vizinho e colocou algumas gotas de óleo lubrificante na antiga engrenagem e a porta silenciou tranquila e obediente.”
3 – Agora, forneçam algumas orientações:
Para o grupo 01: ler os dois parágrafos e fazer uma relação entre a porta que rangia nas dobradiças com os conflitos familiares. Que pontos eles podem apresentar sobre isto?
Apresentar o resultado em uma cartolina.
Entreguem para este grupo 01 dobradiça, 01 cartolina e 01 pincel atômico.
Para o grupo 02: ler os dois parágrafos e fazer uma relação entre o óleo que foi colocado na dobradiça com a diminuição dos conflitos familiares. Que pontos eles podem apresentar sobre isto?
Apresentar o resultado em 01 cartolina.
Entreguem para este grupo o frasco de óleo lubrificante, 01 cartolina e 01 pincel atômico.
Tempo para organização: 10 minutos no máximo.
4 – Os grupos devem apresentar o resultado de forma objetiva, em 03 minutos.
Colocar as cartolinas fixadas no quadro ou parede, próximo aos alunos.
5 – Agora, distribuam o texto completo para os alunos e realizem a leitura de forma compartilhada:
Algumas gotas de óleo
Num quarto modesto, o doente grave pedia silêncio. Mas a velha porta rangia nas dobradiças cada vez que alguém a abria ou fechava. O momento solicitava quietude, mas não era oportuno para a reparação adequada.
Com a passagem do médico, a porta rangia, nas idas e vindas do enfermeiro, no trânsito dos familiares e amigos, eis a porta a chiar, estridente. Aquela circunstância trazia ao enfermo e a todos que lhe prestavam assistência e carinho, verdadeira guerra de nervos. Contudo, depois de várias horas de incômodo, chegou um vizinho e colocou algumas gotas de óleo lubrificante na antiga engrenagem e a porta silenciou tranquila e obediente.
A lição é singela, mas muito expressiva. Em muitas ocasiões há tumulto dentro de nossos lares, no ambiente de trabalho, numa reunião qualquer. São as dobradiças das relações fazendo barulho inconveniente. São problemas complexos, conflitos, inquietações, abalos… Entretanto, na maioria dos casos nós podemos apresentar a cooperação definitiva para a extinção das discórdias.
Basta que nos lembremos do recurso infalível de algumas gotas de compreensão e a situação muda. Algumas gotas de perdão acabam de imediato com o chiado das discussões mais calorosas. Gotas de paciência no momento oportuno podem evitar grandes dissabores. Poucas gotas de carinho penetram as barreiras mais sólidas e produzem efeitos duradouros e salutares. Algumas gotas de solidariedade e fraternidade podem conter uma guerra de muitos anos. É com algumas gotas de amor que as mães dedicadas abrem as portas mais emperradas dos corações confiados à sua guarda. São as gotas de puro afeto que penetram e dulcificam as almas ressecadas de esposas e esposos, ajudando na manutenção da convivência duradoura.
Nas relações de amizade, por vezes, algumas gotas de afeição são suficientes para lubrificar as engrenagens e evitar os ruídos estridentes da discórdia e da intolerância.
Dessa forma, quando você perceber que as dobradiças das relações estão fazendo barulho inconveniente, não espere que o vizinho venha solucionar o problema. Lembre-se que você poderá silenciar qualquer discórdia lançando mão do óleo lubrificante do amor, útil em qualquer circunstância, e sem contra indicação.
Não é preciso grandes virtudes para lograr êxito nessa empreitada. Basta agir com sabedoria e bom senso. Às vezes, são necessárias apenas algumas gotas de silêncio para conter o ruído desagradável de uma discussão infeliz.
E se você é daqueles que pensa que os pequenos gestos nada significam, lembre-se de que as grandes montanhas são constituídas de pequenos grãos de areia(autoria do texto desconhecida).
6 - Após a leitura, perguntem aos alunos quais foram as gotas de óleo mencionadas no texto.
À medida que as gotas forem citadas, coloquem os nomes das gotas( já  digitadas),  no quadro: Gotas de Compreensão, Perdão, Paciência, Carinho, Solidariedade, Fraternidade, Amor, Afeição, Silêncio.
7 – Em seguida, façam uma reflexão entre o que os alunos apontaram para os conflitos(a porta que rangia) e o óleo, que motivou a solução da situação incômoda, com os pontos levantados no texto.
8 – Para, concluir, façam também uma análise sobre este trecho do texto:
“Contudo, depois de várias horas de incômodo, chegou um vizinho e colocou algumas gotas de óleo lubrificante na antiga engrenagem e a porta silenciou tranquila e obediente”. Ao ler, enfatizem a parte em negrito.
Perguntem: o que pode significar “a ação do vizinho”, com relação aos problemas familiares?
Certamente, haverá respostas semelhantes a esta: alguém que está fora da situação de conflito enxerga melhor como solucionar os problemas, por não estar envolvido de forma direta, mas percebe, entende e coopera com o grupo familiar.

Por Sulamita Macedo.
Pré-adolescentes – Currículo do Ano 2: Dons espirituais e o Fruto do Espírito
Lição 09: O dom de Variedade de Línguas
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Apresentem o título da lição: O dom de Variedade de Línguas.
- Agora, utilizem a dinâmica “Pentecostes”.
- Em seguida, trabalhem o conteúdo da lição.  Lembrem-se de que vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Pentecostes
Objetivo: Representar a descida do Espírito Santo através da expressão oral em várias línguas.
Material:
 01 versículo bíblico em várias línguas, por exemplo: João 3.16 em Inglês, Francês, Espanhol, Português etc. Vocês podem conseguir, o trecho bíblico em vários idiomas, através da Bíblia on line.
Português: Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
Inglês: For God so loved the world, that he gave his only begotten Son, that whosoever believeth on him should not perish, but have eternal life.
Espanhol: Porque de tal manera amó Dios al mundo, que ha dado á su Hijo unigénito, para que todo aquel que en él cree, no se pierda, mas tenga vida eterna.
Alemão: Also hat Gott die Welt geliebt, daß er seinen eingeborenen Sohn gab, auf daß alle, die an ihn glauben, nicht verloren werden, sondern das ewige Leben haben.
Francês: Car Dieu a tant aimé ceux qu’il a disposés, qu'il a donné son seul Fils engendré, afin que chacun d’eux qui croit en lui ne périsse point, mais qu'il ait la vie éternelle.
Procedimento:
- Falem sobre a descida do Espírito Santo que aconteceu de forma visível e audível.
- Leiam  Atos 2. 2 a 4.
E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.
E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.
Atos 2:2,3
E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
Atos 2:4
E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.
Atos 2:4
- Falem: Agora vamos representar a expressão audível da descida do Espírito Santo.
- Entreguem o versículo em línguas diferentes para os alunos.
- Solicitem que leiam o versículo, todos ao mesmo tempo.
- Leiam Atos 2. 6 ao 12.
E, quando aquele som ocorreu, ajuntou-se uma multidão, e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua.
E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando?
Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos?
Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Asia,
E Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos,
Cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus.
E todos se maravilhavam e estavam suspensos, dizendo uns para os outros: Que quer isto dizer?
Atos 2:6-12
Observação: Caso não haja alunos na sala que falem uma língua estrangeira, vocês podem pedir ajuda a outra pessoa da igreja que lhe auxilie, ou indicando pessoas para falar ou ensinar a pronúncia das palavras.
Por Sulamita Macedo.
Adolescentes – Currículo do Ano 2: A Família Cristã
Lição 09: Obrigações em famílias
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Apresentem o título da lição: Obrigações em famílias.
 - Para introduzir o estudo, apliquem a dinâmica “Regra não é brincadeira”.
- Em seguida, trabalhem o conteúdo da lição.  Lembrem-se de que vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Regra não é brincadeira!
Objetivo: Enfatizar a necessidade e obediência as regras.
Material:
Papel e lápis
Procedimento:
- Dividam a turma em dois grupos.
- Orientem cada grupo para pensar numa brincadeira ou jogo de infância. As regras deverão ser lembradas e explicadas para o outro grupo.
Estipulem um tempo de no máximo 05 minutos.
- Falem: Agora, cada grupo deverá expor para os colegas qual a brincadeira, as regras e se possível fazer uma demonstração.
- Depois, perguntem:
Havia alguém que fugia das regras? Caso positivo, havia punição? Por quê?
Havia também alguém que queria mudar as regras para ser favorecido, isto é, ganhar o jogo ou a brincadeira? Qual a atitude do grupo com relação a isto?
- Depois, falem que como nas brincadeiras e jogos, que há regras e punições, também em todo lugar há necessidade de normas para que haja melhor convivência e que nesta lição será estudado sobre os limites e regras no relacionamento familiar, ou melhor, entre pais e filhos.
- Depois, leiam Pv 29.15:  “É bom corrigir e disciplinar a criança. Quando todas as suas vontades são feitas, ela acaba fazendo a sua mãe passar vergonha”. (NTLH).

Por Sulamita Macedo
Juvenis - Currículo do Ano 2: Eu, um líder
Lição 09: Os apóstolos de Cristo
Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Dirijam-se aos alunos, chamando-os pelo nome, para tanto é importante uma lista nominal para que vocês possam memorizar.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
Outro fator importante para estabelecer vínculos com os alunos é através das redes sociais, adicionem os alunos e mantenham comunicação com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email ou pelas redes sociais, deixando uma mensagem “in box” dizendo que sentiu falta dele(a) na EBD).
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, trabalhem o conteúdo da lição. Vejam as sugestões abaixo:
- Escrevam no quadro o tema da aula: Os apóstolos de Cristo.
- Para introduzir o estudo da lição, utilizem a dinâmica “Os Apóstolos”.
- Em seguida, trabalhem o conteúdo da lição.  Lembrem-se de que vocês devem oportunizar a participação do aluno, envolvendo-o através de exemplos e situações próprias de sua idade. Dessa forma, vocês estão contextualizando o tema com a vida do aluno, além de promover uma aprendizagem mais significativa.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Os apóstolos
Objetivo:
Oportunizar momento de estudo sobre a chamada dos discípulos de Jesus, inserindo os alunos como novos discípulos também chamados pelo Mestre.
Certificar que Jesus chamou os discípulos de “apóstolos” e falar sobre a missão deles.

Material:
Nomes digitados: Discípulo e Apóstolo
Nomes dos discípulos de Jesus
01 rolo de fita adesiva
Procedimento:
- Falem: Jesus chamou 12 pessoas para auxiliá-lo no seu ministério. Eles são chamados de discípulos. Coloquem o nome “Discípulo” no quadro.
- Perguntem: Qual o nome destes 12 discípulos?                       
Aguardem as respostas. Certamente, os alunos indicarão alguns nomes. Depois acrescentem os nomes dos demais discípulos, no quadro, observando o que está escrito em Mateus 10. 2 a 4:
“Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: O primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão; Filipe e Bartolomeu; Tomé e Mateus, o publicano; Tiago, filho de Alfeu, e Lebeu, apelidado Tadeu; Simão, o Cananita, e Judas Iscariotes, aquele que o traiu”.
- Peçam para que os alunos repitam a leitura dos nomes, todos de uma vez, depois só os meninos, depois só as meninas, depois todos novamente.
- Falem sobre a chamada deles, mostrando alguns versículos, como:
“E, chamando os seus doze discípulos, deu-lhes poder sobre os espíritos imundos, para os expulsarem, e para curarem toda a enfermidade e todo o mal”(Mateus 10:1).
“Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos;
Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel;
E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus.
Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai”(Mateus 10:5-8).
- Depois, façam o seguinte:
O aluno fala: Jesus chamou os discípulos(fala 03 nomes dos discípulos) e  continua chamando mais discípulos. Ele me chamou e também... (falar os nomes dos colegas).
Este procedimento deve se repetir até todos os alunos participem.
- Para finalizar, falem que Jesus chamou os discípulos de apóstolos conforme Lucas 6.13: “E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos”. Afirmem ainda que é sobre a liderança dos apóstolos o tema da lição de hoje.

Por Sulamita Macedo.