RSS

terça-feira, 29 de julho de 2014

Jovens e Adultos: Fé e Obras – Ensinos de Tiago para uma Vida Cristã Autêntica
Lição 05: O Cuidado ao falar e a Religião Pura

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 – Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 – Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 – Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associada a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 - Agora, iniciem o estudo da lição. Observem as seguintes sugestões:
- Falem sobre o título da lição “O Cuidado ao falar e a Religião Pura”.
- Trabalhem o conteúdo da lição sempre de forma participativa e contextualizada. Dessa forma, a aprendizagem será mais significativa. 
- Iniciem o estudo do tema, lendo o texto “Penas ao Vento”, que proporcionará a reflexão sobre o cuidado ao falar.
- Depois, utilizem a dinâmica “Diante do Espelho”.
- Depois, Escrevam no quadro o que caracteriza a Religião Pura apontada por Tiago no capítulo 1, versículos 26 e 27, para melhorar a retenção do que está sendo explanado, através da visualização.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Diante do Espelho!
Objetivo: Refletir sobre a alegoria que Tiago usa do homem que se olha no espelho e logo não se lembra do seu rosto.
Material:
01 espelho
01 quadro ou cartolina
Procedimento:
- Apresentem para a turma um espelho.
- Falem: Como é bom um espelho!
- Passem o espelho para os alunos e peçam para que se olhem.
- Perguntem:
Quais as razões que nos movem a nos olhar no espelho?
Aguardem as respostas e anotem no quadro ou cartolina.
- Perguntem, ainda: Qual tem sido a relação que construímos com o espelho?
Será que somos daqueles que gostamos de nos olhar no espelho e passamos alguns minutos diante dele, pois gostamos do que vemos?
Ou será que nos olhamos no espelho de forma rápida, porque não gostamos do que vemos?
Ou quem sabe nos olhamos uma vez, depois voltamos, olhamos outra vez e ainda retornamos?
- A partir das respostas, vocês trabalhem as seguintes ideias:
O espelho mostra a face externa, ao acharmos alguns defeitos visíveis na roupa, no sapato, no cabelo, na pele, na maquiagem etc, procuramos corrigi-los.
A alegoria que Tiago usa do homem que se olha no espelho e logo não se lembra do seu rosto mostra o cuidado que devemos ter diante da Palavra de Deus, como praticantes e não somente ouvintes.
Depois, leiam: Tiago 1:23-24:
“Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural; porque se contempla a si mesmo, e vai-se, e logo se esquece de como era”.
Cuidado! Quem ouve e não cumpre a Palavra, não atentou, não fixou, não aprendeu para praticá-La. Daí, a necessidade de olhar para a Palavra com atenção, para que na nossa “face interna” haja mudanças.
- Para finalizar, falem: Ao ler a Bíblia, ela nos mostra como estamos e como deve ser nossas atitudes.
Qual deve ser nossa postura diante dEla?
Leiam Tg 1. 25: “Aquele, porém, que atenta bem para a lei perfeita da liberdade, e nisso persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas fazedor da obra, este tal será bem-aventurado no seu feito”.
Por Sulamita Macedo.

Texto de Reflexão
Penas ao vento
Conta-se que, num tempo e lugar distantes daqui, um jovem levantou falso testemunho, inventando uma história repleta de meias verdades sobre uma pessoa inocente. A fofoca se espalhou rapidamente e começou a prejudicar a vítima.
Ocorre que ao ver os danos causados, o jovem se arrependeu e procurou um velho sacerdote para conversar e pedir orientação. O sábio o atendeu calmamente, ouvindo cada uma de suas palavras. Ao final disse:
- Você está realmente arrependido deste ato?

O jovem rapidamente respondeu que sim e que inclusive já havia pedido perdão à pessoa que injustamente havia acusado.
- Bem,  respondeu o confessor, então peço que você faça o seguinte:
- Você vai pegar um travesseiro de penas, subir em um alto da montanha e soltar as penas ao vento.
            – Só isso? Admirou-se o rapaz.
– Sim. Depois volte aqui.
No dia seguinte o jovem voltou muito satisfeito. Então o sacerdote disse:
 – Agora você está preparado para cumprir a outra parte. Volte à planície e recolha todas as penas novamente no travesseiro e venha me mostrar.
 O jovem olhou sem entender e disse:
 - Mas isso é impossível.
- Justamente. Da mesma forma é impossível reparar a fofoca, a mentira, falso testemunho. Apenas porque a misericórdia de Deus é infinita, você poderá receber o perdão. Mas o mal que você provocou ficará pairando sempre, como penas ao vento. Pense bem antes de falar novamente algo contra alguém!
Que tal espalhar esta história por aí como penas ao vento? Autoria desconhecida.

Texto Pedagógico
Como utilizar bem o tempo de aula da EBD
Não perca tempo!
Vamos pensar um pouco sobre o tempo de aula da Escola Bíblica Dominical. Nas escolas seculares, a hora/aula dos turnos matutino e vespertino tem 50 minutos de duração, enquanto no noturno 40m, com 5 aulas diárias. Na EBD, temos 01 aula semanal, geralmente, de 50 a 60 minutos. Considero que é este tempo é pouco, o ideal seria 1h30m. Mas, qualquer que seja o tempo destinado para a aula, deve ser bem utilizado.
            Você já parou para pensar nesse tempo de aula da EBD, relacionando a totalidade de tempo semanal que seu aluno está exposto a muitas formas de informação e influência? Com certeza é um espaço temporal mínimo, então não desperdice os minutos precisos destinados para o estudo da lição. Mas, O que você tem feito com o tempo de aula da EBD?
Uma das formas de utilizar bem o tempo da aula da EBD é realizar o planejamento de ensino, para que o momento da aula seja ocupado com o estudo e com atividades importantes e consistentes para o tema a ser abordado. A outra forma é executá-lo com sucesso.
Ao iniciar a aula, mantenha um contato com os alunos, de forma breve. Na parte inicial das lições que são publicadas neste blog, coloco repetidamente algumas sugestões de como realizá-la, que deve acontecer antes de começar o estudo da lição. Com certeza, você já deve conhecer!
Em seguida, faça a introdução do tema, também de forma rápida, situando o aluno no contexto da lição, associando o tema com aulas anteriores, estimulando o aluno para o que vai ser estudado neste dia. Lembre-se de que a aula não começa aqui, pois já teve seu início naquele momento inicial, já citado no parágrafo anterior.
Depois, utilize o tempo com o desenvolvimento da lição, mantendo o foco da aula, com a explanação do tema a ser estudado e execução de atividades relevantes. Utilize métodos variados e técnicas adequados ao assunto e para os alunos.  Veja, no marcador “Textos Pedagógicos” deste blog, textos sobre diferentes formas de dinamizar as aulas da EBD.
Para conclusão da aula, reserve um tempo para fazer o fechamento da lição, enfatizando os pontos mais importantes, levando o aluno a refletir sobre estes ensinamentos para sua vida prática. Daí, a necessidade de contextualizar o tema da aula com o tipo de aluno que você tem, desde a o desenvolvimento da lição, para que neste momento de finalizar a aula, o aluno possa também fazer suas próprias conclusões.
Não há necessidade de uma rigidez temporal cronometrada pelo relógio de forma exagerada, para a execução das 03 partes da aula – a introdução, o desenvolvido e a conclusão. É necessário apenas um olhar atento e cuidadoso para que não haja perda de tempo. Veja esta sugestão, para uma aula de 60 minutos: reserve 10 minutos para a introdução, 40 minutos para o desenvolvimento, 10 minutos para a conclusão, aproximadamente.
Há professores que não planejam a lição, nem têm cuidado com o tempo de aula e pode achar que 50 a 60 minutos é um grande intervalo temporal para a aula. Então, começa a contar histórias pessoais ou de outrem, divaga pelo assunto sem objetivo, quando percebe o tempo já passou e resta pouco tempo para coisas importantes. Dessa forma, o professor manteve o tempo de aula ocupado, mas foi mal utilizado. Daí, a importância de ler a lição, destacando os pontos mais importantes para trabalhar primeiro, depois os outros pontos serão abordados. Planeje a aula, não improvise.
O professor, tendo conhecimento de como dividir o tempo de aula, não desperdiçará este momento precioso de ensino da Palavra de Deus, saberá o que vai realizar dentro da organização previamente feita e o tempo será ocupado e bem utilizado.
“Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”(Ec 3:1), inclusive ministrar uma boa aula, utilizando bem o tempo!

Por Sulamita Macedo.
Pré-adolescentes – Currículo do Ano 2: Descobrindo meus Direitos e Deveres
Lição 05: Vivendo em Segurança

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associada a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Falem: A lição de hoje tem como tema a segurança que somente encontramos em Deus.
- Iniciem o estudo do tema através da dinâmica Proteção 24 horas”.
- Coloquem no quadro uma figura de uma pessoa com medo, semelhante a esta ao lado.
- Escrevam estas perguntas no quadro. Depois, leiam uma de cada vez e aguardem as respostas.
Em quais situações vocês já sentiram medo?
Quais situações vocês se sente seguro?
- Depois, trabalhem os demais conteúdos da lição sempre de forma participativa e contextualizada. Dessa forma, a aprendizagem será mais significativa.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Proteção 24 horas
Objetivo: Refletir sobre a proteção humana e a segurança que somente encontramos em Deus.
Material:
Figuras de fortalezas e torres(faróis).
Procedimento:
- Após trabalhar o que trata Zc 2. 4 e 5(ausência de muro ao redor da cidade e a glória de Deus como um muro de fogo) falem que historicamente  as cidades tinham muros que serviam de proteção para o povo contra os ataques dos inimigos.
- Falem para os alunos sobre o cuidado que temos com a proteção tanto pessoal como do patrimônio. Acrescentem também a falta de segurança que vivenciamos atualmente com o aumento da violência social.
- Depois, perguntem: O que nos protege da insegurança que vivenciamos?

Aguardem as respostas. Certamente, alguns confirmarão que somente possuem a proteção divina, outros, além desta, vão falar de segurança eletrônica e/ou armada, atenção ao que acontece ao redor, etc
- Apresentem algumas figuras de fortalezas e torres que sua cidade possui ou mesmo de outros lugares.
Falem sobre a construção de fortalezas em localização estratégica nas cidades litorâneas que serviram para promover segurança. Além disso, falem sobre as torres que possuem faróis que serviam e servem até hoje para orientar a navegação à noite, promovendo também segurança para os navegantes.
- Agora, leiam:
 Pv 18.10 “Torre forte é o nome do Senhor, para ela corre o justo e está seguro”.
Sl 46.1 “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia”.
Perguntem: Quem é a nossa fortaleza? E torre forte?
Espera-se que os alunos tenham observado o que dizem os versículos e falem que é Deus e o nome do Senhor!
- Falem: Temos uma torre forte na qual podemos nos refugiar, nos orientar através de Sua palavra que é luz para nosso caminho.
- Depois, perguntem se há algum aluno que está se sentindo inseguro, precisando se sentir amparado.
Certamente, haverá.
Então, peçam para que a turma faça um círculo ao redor do(s) colega(s). Orientem para que os alunos deixem o círculo bem fechado, simbolizando uma fortaleza, para que se sintam fortalecidos pelo cuidado e proteção dos colegas.
Depois, façam uma oração pelos que estão dentro do círculo, para que sintam segurança e proteção 24 horas da torre forte e da fortaleza que é Deus.
- Para concluir, leiam conjuntamente:
 Pv 18.10 “Torre forte é o nome do Senhor, para ela corre o justo e está seguro”.
Sl 46.1 “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia”.

Por Sulamita Macedo.
Adolescentes - Currículo do Ano 2: Vivendo em Família
Lição 05: Viver é fácil, difícil é conviver

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associada a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
 6 – Agora, vocês iniciam o estudo da lição. Vejam estas sugestões:
- Iniciem o estudo da lição, falando sobre o tema da aula: Viver é fácil, difícil é conviver...
- Falem: No meio familiar, ocorrem, muitas vezes, dificuldades de convivência.
- Então, solicitem aos alunos para que eles apontem algumas situações que podem exemplificar problemas de convivência na família.
- Depois, com os exemplos dados, trabalhem o conteúdo da lição, de forma participativa.
- Para concluir, utilizem a dinâmica “Convivência em Revisão”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Convivência em Revisão!
Objetivo: Analisar nossas ações no âmbito familiar.
Material:
01 caixa
01 tesoura
01 prego
01 lixa
01 chave
01 cotonete
Procedimento:
- Falem que dentro da caixa há vários objetos, que poderão ou não ser utilizados, dependendo tão somente de nossa iniciativa. Então, comecem a mostrar cada um deles, perguntando para que servem. Por exemplo:
Tesoura: cortar, separar, dividir, retirar excessos.
Prego: Fixar, unir.
Lixa: Retirar as asperezas, os excessos.
Chave: Abrir ou fechar.
Cotonete: Limpar ouvido.
- Agora, perguntem: Como estes objetos, figuradamente, podem ser utilizados para que a convivência familiar seja melhorada?
Exemplos:
Tesoura: Cortar, separando o que deve permanecer daquilo que deve ser rejeitado.
 Prego: Fixar a Palavra de Deus nas nossas mentes, unindo o que lemos com as ações que executamos.
Lixa: Retirar o que está em excesso, deixando limpo sem “asperezas”.
Chave: Abrir espaço para ações benéficas. Fechar espaço para atitudes destrutivas promotoras de desavenças.
Cotonete: Retirar aquilo que nos impede de escutar o outro.
- Para finalizar, façam um breve comentário sobre os benefícios e malefícios causados pelas atitudes dos membros familiares, proporcionando ou não ambiente de boa convivência.

Por Sulamita Macedo.
Juvenis - Currículo do Ano 2: Lições práticas do Sermão do Monte
Lição 05: A Verdade Liberta

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, trabalhem a lição. Vejam as sugestões abaixo:
- Falem: Na aula de hoje vamos estudar sobre a importância de falar a verdade.
Em seguida, analisem alguns provérbios populares, tais como:
“Quando morrer o corpo vai num caixão, a língua num caminhão”.
 “Boca fechada não entra mosca”.
“Quem muito fala, muito erra”.
“O burro calado passa por sábio”.
 “Quem conta um conto, aumenta um ponto”.
- Depois, utilizem a dinâmica a “Telefone Sem Fio” ou leiam o texto “Eclipse do Sol”, que proporcionarão a oportunidade de refletir sobre a importância de falar a verdade.
- Agora, trabalhem os pontos levantados na lição, sempre de forma participativa e contextualizada.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: Telefone Sem Fio
Objetivo:
Refletir sobre a importância de transmitir informações de forma verdadeira.
Material:
Um pequeno texto(vejam no procedimento)
Procedimento:
- Preparem um pequeno texto contendo várias informações.

- Escolham 8 a 10 alunos e os posicionem na frente da classe, um ao lado do outro.
- Expliquem que vocês vão transmitir uma mensagem para o primeiro aluno e este passará as informações para o colega ao lado e assim sucessivamente, até chegar ao último. Esclareçam que a mensagem deve ser transmitida de forma que ninguém escute, com exceção daquele que está recebendo-a.
- Peçam para que o último aluno fale qual a mensagem que recebeu. Com certeza a mensagem estará truncada, distorcida, errada.
- Em seguida, revelem a mensagem inicialmente transmitida.
- Concluam, dizendo que embora seja uma brincadeira, extraímos lições preciosas, tais como: a importância de transmitir o que ouvimos de alguém corretamente, não mentir, não espalhar fofoca, não levantar falso testemunho.
Ideia original desconhecida.
Esta versão da dinâmica por Sulamita Macedo.

Texto de Reflexão: Eclipse do Sol
Capitão ao Sargento-ajudante:
- Sargento! Dando-se amanhã um Eclipse do Sol, determino que a companhia esteja formada, com uniforme de campanha, no campo de exercícios, onde darei explicações em torno do raro fenômeno que não acontece todos os dias. Se por acaso chover, nada poderá se ver e neste caso fica a companhia dentro do quartel.
Sargento-ajudante ao Sargento:
- Sargento! De ordem de meu capitão, amanhã haverá um Eclipse do Sol, em uniforme de campanha. Toda a companhia terá de estar formada no campo de exercícios, onde meu Capitão dará explicações necessárias, o que não acontece todos os dias. Se chover, o fenômeno será mesmo dentro do quartel.
Sargento ao Cabo:
- Cabo, o nosso Capitão fará amanhã um Eclipse do Sol no campo de exercícios. Se chover, o que não acontece todos os dias, nada se poderá ver. Em uniforme de campanha, o Capitão dará a explicação necessária, dentro do quartel.
Cabo aos Soldados:
- Soldados, amanhã, para receber o Eclipse do Sol, que dará as explicações necessárias sobre o Capitão, o fenômeno será em uniforme de exercício, isto se chover dentro do quartel, o que não acontece todos os dias.

Autoria desconhecida.
Discipulado 2 – Novos Convertidos
Lição 05: O Discípulo e a Idolatria

Professoras e professores, observem estas orientações:
1 - Antes de abordar o tema da aula, é interessante que vocês mantenham uma conversa informal e rápida com os alunos:
- Cumprimentem os alunos.
- Perguntem como passaram a semana.
- Escutem atentamente o que eles falam.
- Observem se há alguém necessitando de uma conversa e/ou oração.
- Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
2 - Este momento não é uma mera formalidade, mas uma necessidade. Ao escutá-los, vocês estão criando vínculo com os alunos, eles entendem que vocês também se importam com eles.
3 - Após a chamada, solicitem ao secretário da classe a relação dos alunos ausentes e procurem manter contato com eles durante a semana, através de telefone ou email.
Os alunos se sentirão queridos, cuidados, perceberão que vocês sentem falta deles. Dessa forma, vocês estarão estabelecendo vínculos afetivos com seus alunos.
4 – Escolham um momento da aula, para mencionar os nomes dos alunos aniversariantes, parabenizando-os, dando-lhes um abraço, oferecendo um versículo.
5 – Fazendo o que foi exposto acima, somando-se a um professor motivado, associando a uma boa preparação de aula, com participação dos alunos, vocês terão bons resultados! Experimentem!
6 – Agora, vocês iniciam o estudo do tema.
Professoras e professores, iniciem a aula, cumprimentando os alunos, perguntem como passaram a semana. Verifiquem se há alunos novatos e/ou visitantes e apresentem cada um.
Se houver alunos ausentes, é interessante que vocês mantenham contato com eles, através de telefone ou email.
- Falem do tema da lição: O Discípulo e a Idolatria.
- Para a condução do estudo deste tema, utilizem a dinâmica “100% Deus”.
- Para finalizar a aula, leiam o texto “Ídolos do Coração”.
Tenham uma excelente e produtiva aula!

Dinâmica: 100% Deus
Objetivo: Promover reflexão do que seja idolatria na vida do cristão.
Material:
01 cartaz feito de cartolina e figuras de vários personagens, considerados ídolos, das mais diversas áreas, quer esportistas, atletas, cantores, atores etc, que estão em evidência na mídia de um modo geral.
01 coração grande feito de cartolina vermelha.
01 pincel atômico.
01 rolo de fita adesiva.
Procedimento:
- Apresentem o cartaz com figuras de vários personagens, considerados ídolos, que estão em evidência na mídia de um modo geral.
- Falem: Muitas pessoas possuem admiração muito intensa a um ou mais destes personagens, chegando a dizer que eles são seus ídolos e até agem de forma fanática e extravagante. Deixem os alunos falarem sobre isto.
- Então, perguntem: Como podemos conceituar a palavra “ídolo” e “idolatria”? Aguardem as respostas dos alunos e depois acrescentem outras informações, enfatizando que um ídolo é qualquer coisa que ocupa o lugar de Deus.
- Apresentem o coração, representando nosso intelecto, nossas emoções, e escreva a palavra DEUS e falem: Deus deve ocupar o centro de nossas ações e pensamentos.
- Reflitam com os alunos sobre coisas que podem ocupar o lugar de Deus nas nossas vidas.
- Para finalizar, leiam Ez 14.3 a 5.
Por Sulamita Macedo.

Texto de Reflexão: Ídolos do Coração

                Nos tempos do Antigo Testamento, a idolatria era facilmente reconhecida – como dançara ao redor de bezerros de ouro, curva-se diante dos Baals. Mesmo quando o apóstolo Paulo escreveu aos seguidores de Cristo em Corinto, no primeiro século, a idolatria pagã era praticada abertamente. Ele admoestou-se para que evitassem qualquer associação com a mesma(I Co 10.14).
                A idolatria ainda é um perigo para o povo de Deus, embora nem sempre seja assim visível ou óbvio. Ídolos são geralmente mais sutis e difíceis de serem detectados, pois eles fazem seus lares nos lugares escondidos do nosso coração.
                Se queremos conhecer nossos ídolos, devemos considerar quais são nossos
pensamentos predominantes, o que pensamos na maior parte do tempo, pode ser um ídolo. Nosso último pensamento antes de dormir, nosso primeiro pensamento quando acordamos, nossos devaneios durante o dia são gastos nos itens e questões que valorizamos e nos quais confiamos. Qualquer possessão ou pessoa na qual colocamos esperança de trazer-nos realização, qualquer objetivo ou aspiração que se torna mais importante para nós do que Deus – estes são “deuses” que atraem a nossa lealdade e controlam sutilmente as nossas vidas.

                Somente Deus pode satisfazer as profundas necessidades do nosso coração e fazer-nos viver de verdade. Portanto, seríamos sábios se considerássemos o conselho amoroso do apóstolo Paulo: “Por isso, meus irmãos, fujam da idolatria”. David Roper   Fonte: Nosso Pão Diário